novo artigo sobre o Príncipe: The ‘Praia Grande’ of Príncipe Island (Gulf of Guinea): an important nesting beach for the green turtle ‘Chelonia mydas’

11/10/2011

Após a publicação do importante artigo sobre a estrutura genética da população de tartaruga SADA da Ilha do Príncipe, um novo texto científico fica agora disponível: LOUREIRO N.S., H. CARVALHO & Z. RODRIGUES. 2011. The ‘Praia Grande’ of Príncipe Island (Gulf of Guinea): an important nesting beach for the green turtle Chelonia mydasArquipélago. Life and Marine Sciences 28: 89-95.

O foco do presente estudo está centrado na Praia Grande, a praia da Ilha do Príncipe que acolhe anualmente o maior número de posturas de mão-branca, ou tartaruga verde (Chelonia mydas). São analisadas duas épocas de posturas, 2007-2008 e 2009-2010, e é apresentada a síntese dos resultados mais relevantes. Este estudo é o primeiro detalhado e publicado sobre a Praia Grande e a população de Chelonia mydas da Ilha do Príncipe, e contribui não só para chamar, uma vez mais, a atenção para as Tartarugas Marinhas na Ilha do Príncipe, mas também para a destacar a importância regional da Ilha do Príncipe para a Chelonia mydas.

Anúncios

Já há ovos de tartaruga na Praia Grande!

16/08/2011

A época de posturas 2011-2012 começou cedo na Praia Grande. O primeiro ninho de mão-branca (Chelonia mydas) foi depositado no areal na noite de 8 para 9 de Agosto!

Entretanto, na praia terminam as últimas limpezas e no CENTRO PARA ACOLHIMENTO DE VISITANTES E DE TURTLE WATCHING – casa Zeferino Rodrigues dão-se os últimos retoques para que já no início de Setembro se possa começar a receber visitantes e acolher os guardas durante as noites mais chuvosas.

Um flyer e alguma sinalética (outdoors) deverão contribuir para divulgar esta nova atividade de turismo de natureza na Ilha do Príncipe, assegurada pelo Programa SADA.


Programa SADA – Missão 8

14/05/2011

A Missão nº 8 do Programa SADA decorreu de 21 de Abril a 6 de Maio de 2011 e foi, uma vez mais, concretizada pelo Coordenador do Programa, Nuno de Santos Loureiro, PhD, docente e investigador da Universidade do Algarve.

A estadia na Ilha do Príncipe decorreu entre 22 de Abril e 4 de Maio. Foram executadas as seguintes atividades:

I. TARTARUGAS MARINHAS

I.1. Foram amostrados os seguintes números de animais:
SADA (Eretmochelys imbricata)
– 13 exemplares (2 machos adultos, 1 fêmea adulta, 10 juvenis)
MÃO-BRANCA (Chelonia mydas)
– 7 exemplares (3 aparentemente saudáveis e 4 afetados por fibropapilomatose)

Nas amostragens estiveram envolvidos os seguintes mergulhadores:
Dionísio Calipe, Helder Vaz Pereira (Dedé), Inocêncio dos Prazeres (Nuno Couto), José Manuel Rocha Lopes (Nelo), Manuel da Graça (Lindo) e Pedro de Oliveira Sousa (Duko)

Procedimentos gerais:
– os mergulhadores agarraram os exemplares no mar, à mão, e trouxeram-nos para as praias mais próximas
– eu desloquei-me a essas praias para todos os procedimentos de amostragem e os animais foram seguidamente libertados no mar, nessas mesmas praias; nenhuma tartaruga marinha esteve mais de 4 horas fora de água

Transporte das amostras para Portugal:
– as amostras ficaram armazenadas no Príncipe, ao cuidado do Sr Daniel Ramos, Diretor do Parque Natural Obô do Príncipe, em virtude da impossibilidade de obtenção da autorização legal emitida pelo Governo Regional do Príncipe (licença CITES ou documento substituto) indispensável para as transportar para Portugal

I.2. Centro de Acolhimento de Visitantes e de Turtle Watching da ‘PRAIA GRANDE’

– foi verificado o avançado estado das obras de recuperação
– consideraram-se ainda necessárias as seguintes intervenções:

  • nova demão de pintura em toda a construção
  • pintura do teto em lusalite, em cor verde escura
  • finalização do anexo, com pequenos trabalhos de carpintaria e pintura
  • pintura do nome na frente da casa

– consideram-se também convenientes as seguintes intervenções

  • sinalização de trânsito, a partir da cidade e do aeroporto
  • colocação de placa de divulgação no exterior do aeroporto
  • reedição do flyer ‘TURTLE WATCHING NA PRAIA GRANDE, ILHA DO PRÍNCIPE’

– foi solicitada autorização ao Governo Regional para a execução destas novas intervenções

I.3. Nova equipa de Vigilantes

No quadro da colaboração com a HBD foram selecionados seis novos vigilantes para as praias Uva, Grande, Boi e Macaco; na totalidade, ficam assim oito guardas nssas quatro praias, uma vez que o Hualton Carvalho e o Domingos Quaresma continuam em funções.

I.4. Mergulhadores Vigilantes e Educadores Ambientais

No quadro da colaboração com a HBD foram selecionados três mergulhadores que regularmente colaboram com o Programa SADA: Inocêncio dos Prazeres (Nuno Couto), Manuel da Graça (Lindo) e Pedro de Oliveira Sousa (Duko), para desempenharem funções de vigilância e sensibilização ambiental, tendo em vista reduzir a mortalidade das tartarugas marinhas, que se concluiu estarem a ser capturadas em números preocupantes, por mergulhadores submarinos e pescadores locais.

Foi solicitado ao Governo Regional um empenhamento acrescido nas operações de vigilância e fiscalização.

I.5. Compilação dos dados relativos a FÊMEAS REPRODUTORAS E POSTURAS na PRAIA GRANDE – época de posturas 2010-2011

Foram introduzidos na base de dados do Programa SADA todos os dados recolhidos na Praia Grande, durante a época de posturas 2010-2011. Este procedimento implicou a digitalização de toda a informação, a partir dos cadernos de campo, a deteção de alguns erros, e a sua interpretação preliminar.

I.6. Preparação da brochura TARTARUGAS MARINHAS NA ILHA DO PRÍNCIPE

II. ODONATAS (localmente, aviões-de-água)

II.1. Prospeção Preliminar

Ceriagrion glabrum

Orthetrum africanum

Os Insetos da Ordem Odonata, em português designados de libélulas e libelinhas, e localmente chamados de aviões-de-água, são um grupo que tem sido pouco estudado na Ilha do Príncipe. No entanto, está referida uma espécie endémica na Ilha, classificada como Critically Endangered na IUCN Red List, a Trithemis nigra. A espécie foi descoberta e descrita em 1936, e desde então, por ausência de monitorização, não foi estudada em detalhe, nem acompanhada a evolução da sua população.

Palpopleura lucia

Orthetrum stemmale

Na sequência de contactos com o Doutor ‘KD’ Dijkstra, do Netherlands Centre for Biodiversity, especialista reconhecido em Odonata africanos, foi feita uma prospeção preliminar. Foi, para a mesma, solicitada a colaboração do Lucindo Pontes, principiano e profundo conhecedor das borboletas da Ilha do Príncipe.

Assim, foi feita uma recolha fotográfica detalhada de Odonatas em 20 pontos distintos de amostragem da Ilha do Príncipe, e as fotografias foram apresentadas ao especialista referido, para confirmação das identificações.

A procurada Trithemis nigra está entre as espécies fotografadas e, assim, foi possível confirmar que continua presente!

As outras espécies fotografadas foram:

  • Orthetrum africanum
  • Pantala flavescens



De 4 a 6 de Maio decorreu uma estadia muito breve pela Ilha de SÃO TOMÉ. Foram executadas as seguintes atividades:

  • Reunião com o Dr Victor Bonfim, Diretor para a Conservação da Natureza, Qualidade do Ambiente e Saneamento – Direção-Geral do Ambiente. O encontro permitiu uma troca de impressões sobre a futura legislação nacional de proteção de tartarugas marinhas na República Democrática de São Tomé e Príncipe, e também a apresentação de um ponto de situação sobre o Programa SADA.
  • Conversa informal com o responsável do Centro Turístico Comunitário de Pesca Artesanal VOADOR PANHÁ, em São João de Angolares, e também com João Carlos Silva, da Roça São João.
  • Visita ao futuro stand da Ilha do Príncipe e a toda a CACAU – Casa das Artes, Criação, Ambiente e Utopias, na cidade de São Tomé.

Ilha do Príncipe no SWoT Report VI

09/05/2011

O SWoT – State of the World’s Sea Turtles Report é uma publicação anual de síntese, apresentando o estado do conhecimento sobre as tartarugas marinhas. O periódico é editado nos E.U.A. e o corpo editorial reúne alguns dos mais conceituados especialistas mundiais em tartarugas marinhas. Embora não se possa considerar uma revista científica, cada edição anual é um marco incontornável na divulgação de informação rigorosa sobre estes animais ameaçados de extinção.

Recentemente foi publicado o SWoT Report VI, apresentado no 31º Annual Symposium on Sea Turtle Biology & Conservation.

Em cada edição é prestada especial atenção a uma das sete espécies de tartarugas marinhas. Entre outras informações, é publicado um mapa-mundo com a distribuição dos mais relevantes locais de postura. É também apresentado o state-of-the-art sobre a estrutura genética das diversas populações da espécie de tartarugas marinhas em análise.

O SWoT Report III foi dedicado à tartaruga SADA (Eretmochelys imbricata). Nessa oportunidade, publicaram-se algumas notas relativas às posturas nas praias das ilhas de São Tomé e do Príncipe. Sobre a estrutura genética da espécie reconhecia-se, num texto assinado por Alberto Abreu e Robin LeRoux, a existência de pelo menos um stock na costa atlântica de África, centrado na Ilha de Bioko e nas de São Tomé e Príncipe.

SWoT Report V foi dedicado à tartaruga TÀTÔ (Lepidochelys olivacea), espécie que faz posturas na Ilha de São Tomé, mas não no Príncipe. Surgiu uma referência muito breve no mapa-mundo de distribuição dos locais de postura…

SWoT Report VI é agora dedicado à tartaruga verde ou MÃO-BRANCA (Chelonia mydas). A Ilha do Príncipe volta a ser referida como um local de importância regional para as tartarugas marinhas, e esse reconhecimento é agora um fruto dos esforços que têm vindo a ser desenvolvidos pelo Programa SADA, o qual já integra o SWoT Team! A existência de um stock genético nas Ilhas de São Tomé e Príncipe é, igualmente, referido.

E a responsabilidade de São Tomé e Príncipe para o futuro das tartarugas marinhas, em particular no limite este do Oceano Atlântico, fica uma vez mais em destaque!


Ano Novo, casa nova!

01/01/2011

Nada melhor para começar o novo ano de 2011 do que mostrar duas fotos que ilustram as obras da casa na Praia Grande  – Centro de Acolhimento de Visitantes e de Turtle Watching ‘Zeferino Rodrigues’. A recuperação da casa, finalmente, aproxima-se da conclusão, e é fruto de meses de trabalho do Hualton e do Mingos, durante o dia carpinteiros e pintores, durante a noite vigilantes das tartarugas marinhas!

O estado das obras no dia 29 de Dezembro de 2010. Foto de Daniel Ramos.

A casa agora recuperada foi contruída pela ONG MARAPA com o apoio financeiro do FFEM – Fundo Francês para o Ambiente Mundial e foi-se degradando com o passar dos tempos. A recuperação da casa foi integrada no plano de atividades 2010 do Programa SADA e foi financiada pelo mesmo Programa, recorrendo aos apoios do Oceanário de Lisboa, Marine Turtle Conservation Fund (FWS-USA) e de doadores individuais como a Srª Drª Mª Leonor Sardinha. A obra contou também com a colaboração do Governo Regional do Príncipe. Na fase final das obras, para além do Hualton e do Mingos, muito contribuiu também o empenhamento do Daniel Ramos, Diretor do Parque Natural do Príncipe, e do Dr Rogério Ferreira.

O estado das obras no dia 29 de Dezembro de 2010. Foto de Daniel Ramos.

Com as obras concluídas, começa agora a ser possível dinamizar iniciativas de turtle watching, naquela que é a principal praia de posturas de tartarugas marinhas na Ilha do Príncipe. A tartaruga-verde Chelonia mydas é, sem dúvida, a espécie mais frequente, mas a SADA Eretmochelys imbricata e a tartaruga-de-couro Dermochelys coriacea também aparecem na Praia Grande para aí fazerem algumas posturas.


Aceite este convite!

06/11/2010

 

Aceite este convite: venha conhecer a Praia Grande, na Ilha do Príncipe, e também o Centro de Turtle Watching e Acolhimento de Visitantes que aí está instalado. Venha ver tartarugas marinhas a depositar ovos na areia quente da praia…

Formular publicamente este convite é um dos objectivos do cartaz agora produzido, e que está já na Ilha do Príncipe. O outro objectivo é divulgar mais intensamente este património natural existente na Ilha, e que é uma das pérolas da biodiversidade daquele pequeno território insular posicionado no meio do Golfo da Guiné.

Em breve, o Programa SADA, uma iniciativa da Universidade do Algarve com os apoios do Governo Regional do Príncipe, do Parque Natural do Príncipe e da população da Ilha, e com financiamentos do Oceanário de Lisboa e do Marine Turtle Conservation Fund (U.S. Fish and Wildlife Service), vai editar mais cartazes, que vão igualmente ficar expostos em locais públicos da Ilha e, assim, contribuir para a valorização e protecção da biodiversidade regional e global.


As tartarugas marinhas estão de volta às praias do Príncipe!

06/10/2010

Hualton Carvalho, o coordenador dos trabalhos na Praia Grande

É verdade!
Foi com um atraso de um mês comparativamente com a época passada, mas na noite do passado dia 4 de Outubro a primeira fêmea reprodutora da época, uma Chelonia mydas (tartaruga verde ou mão branca) subiu na Praia Grande, pelas 20 horas, e depositou na areia o primeiro conjunto de ovos. Bem vinda!!!

Para acompanhar todo o episódio lá estava o Hualton Carvalho, o eficiente e experiente guarda do Programa SADA. Depois da postura e antes de regressar ao mar, a tartaruga marinha, que media 1.04 metros de comprimento (da carapaça), recebeu o flipper tag TTY460 e, igualmente, um PIT tag.

Nesta nova época de posturas, antes desta ocorrência, na Praia Grande apenas se tinha observado um rasto sem postura, na noite de 2 de Outubro. Mas os mergulhadores que regularmente colaboram com o Programa SADA confirmam que são já muitas as tartarugas marinhas que descansam na baía da Praia Grande, e em outras áreas pouco profundas e abrigadas da Ilha do Príncipe. Por isso, tudo faz crer que a época de posturas de tartarugas marinhas, na Ilha do Príncipe, começará em força já muito em breve!

Centro de Turtle Watching da Praia Grande, durante as obras, em Setembro...

Entretanto, as obras de reabilitação do Centro de Turtle Watching da Praia Grande estão a avançar a bom ritmo. O pequeno edifício de madeira foi totalmente desmontado e deslocado para um local mais abrigado, e está agora na fase final da sua reconstrução. Por isso, muito em breve, guardas, investigadores e visitantes passarão a ter um local adequado, na Praia Grande, para se resguardarem enquanto aguardam ou descansam das atividades de observação das tartarugas marinhas a depositar os seus ovos na areia, e dos ovos a eclodirem e os recém-nascidos a correrem para o mar!